Notícias

As últimas Notícias sobre o setor Sucroalcooleiro

As vantagens do parasitoide Tetrastichus howardi em comparação à Cotésia flavipes no controle da broca-da-cana

As vantagens do parasitoide Tetrastichus howardi em comparação à Cotésia flavipes no controle da broca-da-cana

25/01/2021 07:19:00

Entre as vantagens estão: o Tetrastichus controla a broca-da-cana nas fases de lagarta e pupa e oferece menor custo de aplicação

A Diatraea sacharalis – a broca-da-cana –, considerada a principal praga da lavoura canavieira, tem mais um inimigo natural de grande importância, é o Tetrastichus howardi, um parasitoide disponibilizado pela JB Biotecnologia, de Paraopeba, MG.

Esse parasitoide apresenta uma eficiência de 80%, que pode chegar próxima a 100%, no controle da praga – destaca Bianca Vique Fernandes Narde, sócia da JB e engenheira florestal, com trajetória acadêmica e profissional ancorada na área de controle biológico e manejo ecológico de pragas.

Esse parasitoide tem alguns diferenciais em relação à Cotesia flavipes (o inimigo natural da broca mais utilizado nos canaviais) – compara Bianca Vique. O Tetrastichus controla a broca, atuando na fase de lagarta e pupa da Diatraea saccharalis, enquanto a sua concorrente age somente na lagarta. Além disso, vive em torno de 12 dias, período muito maior do que a da Cotesia, que é em torno de 36 horas.

As vantagens não param aí.  Mais resistente à variação climática, o Tetrastichus apresenta maior versatilidade durante a armazenagem e aplicação. 

Ciclo da broca-de-cana

As vantagens do parasitoide Tetrastichus howardi em comparação à Cotésia flavipes no controle da broca-da-cana


Segundo Ricardo Machado, o engenheiro ambiental Ricardo Machado, diretor da Birdview, empresa parceira da JB Biotecnologia, e que realiza liberação das vespinhas por meio de drones, o Tetrastichus tem mais vida de armazenagem, o que possibilita um melhor controle em relação ao seu nascimento. “A validade de prateleira é maior. É possível regular a eclosão desse parasitoide em geladeira”, comenta. Se a usina recebe hoje a Cotesia, é preciso aplicar o produto no mesmo dia – observa.

Liberação do Tetrastichus por meio de drones

As vantagens do parasitoide Tetrastichus howardi em comparação à Cotésia flavipes no controle da broca-da-cana


Devido a sua maior tolerância a mudanças climáticas, o Tetrastichus pode ser aplicado mesmo se estiver muito quente. No caso da Cotesia, a temperatura muito elevada inviabiliza a aplicação. “A liberação deve ser entre as 7h e 10h e das 15h e 17h, dependendo da região”, exemplifica.  A menor janela de aplicação da Cotesia afeta o rendimento da pulverização.

A aplicação do Tetrastichus também apresenta menor custo. A Cotesia precisa ser protegida, colocada em tubete, o que chega a elevar os gastos com a pulverização em R$ 6,00 por hectare – diz o diretor da Birdview. “A Cotesia exige mais atenção para torná-la viável devido a sua menor tolerância, o que aumenta o custo homem/hora”, comenta.

Utilizado com sucesso em áreas de produtores de cana, o novo parasitoide da broca foi lançado no mercado em 2017. O próximo passo será a avaliação do seu desempenho em canaviais de usinas. “É um produto moderno, com grande potencial, que poderá substituir a Cotesia, que está há quarenta anos no mercado”, observa Ricardo Machado. 

 

 

Para saber mais acesse: https://jbbiotecnologia.com.br/

Fonte: CanaOnline